Artigo - Biólogo Evandro Britto
 
 
/////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
20/2/2020 - / Por Evandro Britto
 

 

O biólogo e ex-diretor de esgotos da CEDAE, Evandro Britto, escreveu um artigo sobre a reportagem "Emissários levam vilões do meio ambiente para o alto-mar", publicada no jornal O Globo, em 09 de fevereiro. (Confira a reportagem: https://glo.bo/39oCYeh). 

Leia o artigo na íntegra abaixo: 

O emissário submarino de Ipanema foi monitorado, primeiro diariamente durante 2 anos, posteriormente por 3 vezes por semana durante 20 anos. Este projeto ensejou 3 trabalhos técnicos apresentados em congressos internacionais: o primeiro com resultados de 1 ano antes do emissário entrar em carga e 2 anos depois em operação. 

Este trabalho ganhou um prêmio internacional. Os outros 2 apresentaram os resultados de 10 e 20 de operação. Em nenhum momento foi constatado o retorno às praias de qualquer tipo de sólidos flutuantes, isto porque, conforme os estudos oceanográficos realizados, durante 10 anos, a corrente predominante em 95% do tempo é no sentido leste/oeste de forma convexa paralela à costa. Esta é a razão do contorno da praias da Zona Sul do Rio. 

Este estudo de correntes foi posteriormente confirmado pela Engenharia da UFRJ.
Trabalho técnico, também apresentado em congresso internacional, comparando o efluente de uma estação de tratamento de esgotos por lodo ativado com o do emissário submarino de Ipanema, mostrou que o emissário era muito mais eficiente e se tivéssemos construído uma estação de tratamento de esgotos por lodo ativado na Zona Sul as praias não estariam obedecendo os padrões de balneabilidade.

Fica claro que a solução emissário foi a correta. Quanto ao emissário da Barra da Tijuca ele só tem o comprimento de 5km  para caso a estação de tratamento primário deixar de funcionar, fica garantido que não haverá poluição das praias. Ora se é assim, não precisava gastar milhões na construção da ETE. Isso eu afirmei ao juiz quando da pendência judicial e quase recebi ordem de prisão.

 
/////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
 
 
 
Últimas Notícias

02/05/2020
Desenvolvimento do conhecimento sobre SARS-CoV-2 e Esgotos Sanitários

22/06/2020

COMUNICADO IMPORTANTE

23/05/2020

ABES Conecta: A Gestão das empresas de saneamento e o coronavírus

02/05/2020

NOTA DE PESAR: ABES-Rio lamenta a morte do colega Pedro Márcio Braile, engenheiro sanitarista

.
    Saiba mais >>
.
.
    Saiba mais >>
.
.
    Saiba mais >>
.
.
    Saiba mais >>
.
 
Av. Beira Mar, 216 - Sala 1103, 13º andar
CEP 20021-060 / Centro - Rio de Janeiro / RJ


abes-rj@abes-dn.org.br


(21) 98691-2615 (WhatsApp)