SANEA-Rio foi um sucesso!
 
 
 
 
/////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
27/4/2022 - / Por
 

 

Evento discutiu sobre Captações de Tempo Seco com a participação de especialistas, parlamentares e membros da sociedade civil

Na última quarta-feira (13) teve início o Seminário Estadual de Saneamento e Meio Ambiente, idealizado pela ABES-Rio em parceria com grandes empresas do setor. O evento aconteceu entre os dias 13 e 14 de abril, de forma híbrida na Firjan. Mais de mil pessoas se inscreveram para acompanhar o Seminário online, interagindo pelas plataformas digitais, ao todo o evento contou com mais de 6 mil visualizações. 

Para iniciar os trabalhos, a mesa de abertura foi composta por Mauro Viegas, presidente do Conselho Empresarial de Infraestrutura  da Firjan; Miguel Fernández y Fernández, presidente da ABES-Rio; Célia Rennó, representando a ABES Nacional; Vladimir Macedo, conselheiro e vice-presidente da AGENERSA; José Ricardo Brito, secretário de Meio Ambiente do Estado do Rio de Janeiro; e Leonardo Soares, presidente da Cedae e representante do governo do estado. 

Na sequência, o convidado especial, velejador e medalhista olímpico, Lars Grael apresentou dados sobre a situação do saneamento no estado do Rio e no país. O velejador fez considerações relevantes sobre os desafios da universalização do saneamento.  “Como velejadores sempre fomos uma espécie de fiscais do meio ambiente,  vemos as agressões, as saídas de esgoto, a quantidade de garrafas e lixos flutuantes. A observação permite criarmos consciência ambiental, e o saneamento vai muito além de tratar o esgoto, deve ser uma prioridade de todos.” afirmou Grael. 

A segunda mesa do dia tratou sobre os 20 anos do Comitê Guandu, histórias e projetos futuros. As discussões foram moderadas por Ana Larronda Asti, subsecretária estadual de Recursos Hídricos e diretora executiva do Comitê Guandu-RJ. Também participaram Andreia Loureiro, secretária de Meio Ambiente do Município de Queimados e diretora do Comitê Guandu-RJ; Mayná Coutinho, engenheira ambiental da CEDAE e diretora geral do Comitê Guandu; Hendrik Mansur, engenheiro agrônomo da The Nature Conservacy e coordenador do Grupo de Trabalho de Infraestrutura Verde do Comitê Guandu; e Marcelo Danilo, gestor ambiental e diretor do Comitê Guandu.

Mayná Coutinho declarou a importância da universalização do saneamento e também sobre os projetos futuros do Comitê. “Saneamento é um direito básico e fundamental de todos, e para o Comitê Guandu é uma missão de vida.” afirmou a diretora. A mesa se aprofundou sobre os 20 anos do Comitê ressaltando a importância dos projetos já realizados e os desafios futuros.

Na sequência, teve início a terceira mesa do dia com a temática “Benefícios econômicos da expansão do saneamento no Rio de Janeiro”.  Participaram Fernando Garcia, Prof. Dr. em Economia e Fundador da Ex Ante Consultoria Econômica; Luana Siewert Pretto, engenheira civil e presidente do Trata Brasil; e Alexandre Bianchini, presidente da Águas do Rio.

A quarta mesa foi mediada por Josivan Moreno, mestre em engenharia sanitária e ambiental, e diretor executivo da ABES nacional. Em suas palavras destacou a importância de construir novas tecnologias agregando setores para avançar no desafio de levar o saneamento e a engenharia ambiental para todos. 

A mesa abordou a temática tecnologias e soluções em saneamento e contou com a participação de João Leoni, gerente comercial de energia e utilities na Engineering Brasil; Hélio Wanderley, diretor de Segurança Hídrica e Qualidade Ambiental - INEA. João Leoni apresentou a DHUO Data, plataforma de governança de dados, também falou sobre tecnologias e dados que auxiliam nas tomadas de decisões. O gerente citou os cases do Grupo Águas do Brasil e da Sabesp.

Hélio discursou sobre a realidade das Bacias Hidrográficas com as novas concessões à frente do saneamento no Rio de Janeiro. Também pontuou sobre as competências do INEA e o monitoramento do Rio Guandu. 

Finalizando os trabalhos do primeiro dia do seminário, foi apresentada a mesa sobre o encontro técnico captações de tempo seco - conceitos aplicados mundialmente, moderada pela vice-presidente da ABES-Rio e professora da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Ana Silvia.  A mesa também teve a presença de Isaac Volschan, prof do departamento de Recursos Hídricos e Meio Ambiente da UFRJ, Leonor Amaral, Docente da FCT/UNL (Universidade Nova de Lisboa), e Diana  Figueiredo, da Direção de Operação da Águas do Tejo Atlântico (AdP).

Isaac discursou sobre os desafios e oportunidades para a aplicação da estratégia de captação de esgotos sanitários em tempo seco.  A professora Leonor Amaral, participou online e palestrou sobre os desafios da economia circular no ciclo urbano da água. Também de forma online, Diana abordou sobre a drenagem e o tratamento de águas residuais, e comentou sobre o saneamento da região da Grande Lisboa, em Portugal. 

O segundo dia do SANEA-Rio teve início com a mesa sobre Captações de tempo seco, projetos para o Rio de Janeiro, com a presença de Ricardo Bueno, diretor de Engenharia e CAPEX na Águas do Rio; Márcio Salles, diretor de operações do Grupo Águas do Brasil; e Lucas Arrosti, diretor de Operações na Iguá Saneamento.

A mesa foi mediada por Karina Alencar, economista, diretora da ABES-Rio e chefe de departamento da CEDAE. Karina levantou o questionamento de como tornar a captação de tempo seco possível. Também convidou as concessionárias a expor seus projetos e propostas de desenvolvimento. A diretora frisou a importância do diálogo para elucidar em termos regulatórios a viabilização destes projetos. 

Os três representantes das concessionárias pontuaram os investimentos que serão aplicados para tornar o saneamento e a coleta de esgoto realidade para a maioria da população do Rio de Janeiro. Neste debate específico os participantes, do auditório e também online puderam questionar e sanar dúvidas com os palestrantes sobre o futuro do saneamento.

Ao final da primeira mesa do segundo dia, aconteceu o lançamento de obras importantes, com a participação de alguns dos autores. O livro  Emissários Submarinos de Esgotos Sanitários, já lançado anteriormente, agora chega em sua versão digital. O autor Renato Castiglia Feitosa se fez presente para uma sessão de autógrafos. A obra Panorama Geral das oportunidades de reúso para fins industriais no RJ a partir do efluentes de estações de tratamento de esgoto, também contou com a presença da autora Gisele de Souza Bôa Sorte Ribeiro. E para finalizar os lançamentos a Revista 20 anos do Guandú, também foi prestigiada em primeira mão pelos presentes. 

Na sequência foram amplificadas as discussões sobre captações de tempo seco, porém agora em nível nacional como tema da segunda mesa. Mediando os trabalhos, o diretor da ABES-Rio, Hallison Marques, que também é gerente de projetos e implantação de sistemas na CEDAE, salientou a importância de ampliar a discussão e avaliar os projetos em âmbito nacional.

A mesa foi composta por Marco Antonio L. Barros, superintendente da unidade de produção de água RMSP da Sabesp; Marcos Golin, Project Manager na Worley; Tiago Gonzalez Miranda e Clecilaine Rodrigues, ambos engenheiros de produção e operações na COPASA-MG; e Pedro Freitas, diretor presidente da Prolagos S/A e diretor superintendente da Águas do Rio.

O Superintendente da Sabesp apresentou o projeto de recuperação do Rio Pinheiros, em São Paulo, e pontuou a utilização de tempo seco para sua realização.  Marco Antonio também mostrou a localização das unidades recuperadas do Rio.

Após um breve intervalo para o almoço, o evento teve continuidade com a terceira mesa que abordou a temática “captações de tempo seco, conceitos jurídicos e legais”. O debate contou com a presença de Murilo Bustamante, promotor de justiça do Ministério Público do Rio de Janeiro; Leandro Frota, advogado, cientista político e diretor da OAB RJ; o deputado estadual Luiz Paulo, que também é engenheiro de formação e o Paulo Ganime, engenheiro e deputado federal. 

Representando o MPRJ, Murilo comentou sobre o novo marco regulatório e a coleta de tempo seco no estado do Rio de Janeiro. Luiz Paulo explicou sobre o processo de tramitação dos projetos de lei na Alerj e a importância da regulamentação. O deputado federal, Paulo Ganime apontou a necessidade das agências reguladoras terem profissionais técnicos para gerir os projetos. Também chamou atenção para as catástrofes recentes de Petrópolis, causadas pelas fortes chuvas, o crescimento desordenado da população e a falta de coleta e tratamento de esgoto nas regiões afetadas.
 
Em comemoração aos 55 anos da Associação no Rio de Janeiro, a ABES-Rio produziu um mini documentário com a participação de pessoas que ajudaram a construir a história da entidade. O vídeo foi apresentado de forma inédita no seminário e está disponível no Youtube da ABES-Rio.  

A última mesa do evento, também discutiu a temática captações de tempo seco, porém com ênfase nos conceitos regulatórios e econômicos. As discussões foram mediadas por Miguel Fernández y Fernández, engenheiro civil, fundador e diretor-presidente da Aquacon Engenharia. A mesa contou também com a participação de Karla Bertocco, ex-presidente da Sabesp; Marcia Carla P. Ribeiro, presidente do Conselho da SANEPAR; e Jorge Wenerck, diretor da Agência  Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal - ADASA.

Karla destacou o desafio do projeto de despoluição dos Rios Tietê e Pinheiros, citou os investimentos aplicados e os avanços até o momento. Também comentou sobre a dificuldade de levar o saneamento aos locais mais afastados que ainda não tinham acesso na cidade paulistana. 

O evento teve seu encerramento com um coquetel e o lançamento do livro da ABES-Rio que completou seus 55 anos de história. A Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental- Seção Rio de Janeiro agradece todo o apoio dos patrocinadores, a participação dos associados e a todos que contribuíram para enriquecer ainda mais o debate tão necessário acerca do tema. 

Caso você tenha perdido algum momento, ou queira rever o SANEA-Rio, o evento completo está disponível no site sanearioabes.com.br

Ou no Canal da ABES Nacional no Youtube: https://www.youtube.com/watch?v=3mGIwOAymZM&list=PLmmxvd1jpDtGu4d616rpzRAEeTvSul2sP

Confira as fotos do Evento:





Mesa 01.01:
















Mesa 2











Mesa 3:





Mesa 4:



Mesa 02.01







Mesa 02.02:











Mesa 02.03:







Mesa 02;04:





Mesa Especial:





 
/////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
 
 
 
Últimas Notícias

29/08/2022
Efeitos erosivos decorrentes da navegação no Canal de Marapendi (Barra da Tijuca – Rio de Janeiro)

04/10/2022

ABES-Rio marca presença na reunião do CDEN

04/10/2022

InovaRio Podcast recebe Bruno Kazuhiro, candidato a deputado estadual do Rio de Janeiro pelo PSDB

03/10/2022

ABES-Rio indica - MBA Saneamento ambiental: faça o minicurso degustação gratuito, online, de onde você estiver!

.
    Saiba mais >>
.
.
    Saiba mais >>
.
.
    Saiba mais >>
.
.
    Saiba mais >>
.
 
Av. Beira Mar, 216 - Sala 1103
CEP 20021-060 / Centro - Rio de Janeiro / RJ


abes-rj@abes-dn.org.br


(21) 98691-2615 (WhatsApp)