Os novos desafios da gestão do saneamento no Rio de Janeiro 
 
 
 
 
/////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
25/5/2021 - / Por
 

 

No dia 30 de abril de 2021, foi realizado na Bolsa de Valores de São Paulo (B3) o leilão de concessão de serviços da Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (CEDAE). Foram arrecadados R$ 22,6 bilhões através de outorga paga pelas empresas que venceram três dos quatro blocos ofertados, valor que representa um ágio de 114% sobre a avaliação feita pela modelagem contratada pelo BNDES. Mesmo com um dos blocos não tendo sido arrematado, sobre a ótica financeira pode-se dizer que o resultado foi exitoso. 

Porém, este vultoso valor arrecadado pelo poder público abre um debate sobre como deve ser utilizado este recurso. Espera-se que parte, aproximadamente R$4,5 bilhões, deverá ser utilizada para pagar o empréstimo realizado em 2017 pelo governo do Estado do Rio de Janeiro junto ao banco francês BNP Paribas. Mas e o montante restante? Como será utilizado? 

A ABES defende que as outorgas deveriam ter sua aplicação vinculada a ações que permitam o avanço do atendimento à população, como por exemplo investimentos na urbanização em áreas de ocupação irregular. Não será possível alcançar as metas nos prazos estabelecidos pelo novo Marco Legal do Saneamento (Lei 14.026) de universalização dos serviços sem que o poder público urbanize estas áreas.

Outro ponto de relevância para a adequada nova gestão do saneamento no Estado do Rio de Janeiro, será a atuação da Agência Reguladora, AGENERSA. O contrato de concessão prevê inúmeras funções para a Agência que deverá ser o ente de resolução de prováveis embates em um sistema interligado e interdependente, que será operado por diferentes concessionárias. Pode-se antever, por exemplo, que a operação de estruturas como o túnel canal Lameirão -Macacos, que fornece água para os quatros blocos da capital, será um deste prováveis pontos de atenção. Um aumento de demanda de uma região abastecida no início do túnel, Bangu, por exemplo (bloco 3 não arrematado, ainda em gestão da CEDAE), pode acarretar redução na disponibilidade de água em regiões a jusante como Barra da Tijuca (bloco 2, que será gerida pela Iguá) e Zona Sul (bloco 1, que será gerida pela AEGEA). A AGENERSA precisa estar capacitada e qualificada para mediar e regular adequadamente tais situações. 

Por fim, mas não menos importante, o modelo tarifário atualmente praticado pela CEDAE e homologado pela modelagem do BNDES para a concessão muitas vezes é socialmente perverso e acaba inviabilizando a vida econômica da região atendida, pois em lugar de premiar a economia de escala que reduziria o preço médio da tarifa, penaliza o grande consumidor, estimula a fraude e viabiliza situações inacreditáveis como a água entregue por caminhão pipa e barcaças ser mais barata que a do sistema público. A necessidade de se rediscutir o modelo tarifário, assegurando o equilíbrio econômico-financeiro dos contratos, mas também a modicidade da tarifa, é um dos principais desafios para o sucesso da nova gestão do Saneamento no Rio de Janeiro. 

Miguel Alvarenga Fernández y Fernández, Presidente da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental – seção Rio de Janeiro.

 
/////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
 
 
 
Últimas Notícias

25/05/2021
Os novos desafios da gestão do saneamento no Rio de Janeiro 

11/06/2021

Eleições ABES-Rio 2021

11/06/2021

A ABES-Rio parabeniza o diretor Antonio Monteiro eleito para o Conselho Diretor da SEAERJ

11/06/2021

Assembleia Geral Ordinária 

.
    Saiba mais >>
.
.
    Saiba mais >>
.
.
    Saiba mais >>
.
.
    Saiba mais >>
.
 
Av. Beira Mar, 216 - Sala 1103
CEP 20021-060 / Centro - Rio de Janeiro / RJ


abes-rj@abes-dn.org.br


(21) 98691-2615 (WhatsApp)